LANCAR - Tratamento anti-fricção

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Admin em Qua Mar 31, 2010 11:39 am

A LANCAR possui os melhores tratamentos anti-fricção para lubrificantes e combustíveis, assim como uma gama de sprays, tudo a pensar numa maior durabilidade da sua maquinaria.

LOJA ONLINE @ http://loja.lancar.biz/




NOTA: LANCAR é a empresa que fez a demonstração de produtos no fim-de-semana que tivemos cá os nossos amigos de Espanha, em Dezembro de 2009. Alguns produtos anti-fricção mostraram-se realmente impressionantes.
avatar
Admin
Admin

Localização : Portugal

Ver perfil do usuário http://www.doutoresdoenduro.tk

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  PistonMaia em Qua Mar 31, 2010 11:38 pm

Bem sendo assim se houver uns sprayes de corrente a bom preço sou gajo para experimentar um ,porque os do Matias tão ,sempre esgotados eh eh eh lol! lol! lol! lol!
avatar
PistonMaia

Localização : São muiguel do Rio Torto
Idade : 33
Mota actual : Ktm 300 Exc personalizada

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Paulo Matias em Qui Abr 01, 2010 6:32 pm

Pessoal, tal como sabem, fui patrocinado por estes produtos na Baja Portalegre 2009.
Apliquei na mota aditivos para a gasolina, anti-fricção para o óleo do motor, spray para a corrente e massa lubrificante.
Gostei bastante, achei a mota mais solta e com uma subida de rotação mais rapida.
Continuo a utilizar e quando terminar o stock, irei adquirir mais material.
Sei que a gama de produtos foi ampliada, havendo agora mais variedade.
avatar
Paulo Matias

Localização : Abrantes
Mota actual : KTM 300 EXC '12

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Scarz em Dom Abr 04, 2010 1:00 pm

A demonstração no dia do Passeio dos Doutores foi fantástica, aquilo ao vivo funcionou tudo muito bem Wink
As massas e spray's até me convenceram...mas continuo muito reticente em usar o óleo da mistura scratch
avatar
Scarz

Localização : São Miguel do Rio Torto e Arredores
Idade : 33
Mota actual : Husaberg TE 250

Ver perfil do usuário http://www.baja2tempos.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Paulo Matias em Seg Abr 05, 2010 8:25 am

As massas e spray's até me convenceram...mas continuo muito reticente em usar o óleo da mistura scratch[/quote]

Compara as fichas técnicas com o óleo que utilizas. Tambem estou curioso.
avatar
Paulo Matias

Localização : Abrantes
Mota actual : KTM 300 EXC '12

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Scarz em Seg Abr 05, 2010 9:33 am

Paulo Matias escreveu:Compara as fichas técnicas com o óleo que utilizas. Tambem estou curioso.

Dá uma vista de olhos neste tópico.

http://embarrados.com/gasgas/viewtopic.php?t=947&start=0
avatar
Scarz

Localização : São Miguel do Rio Torto e Arredores
Idade : 33
Mota actual : Husaberg TE 250

Ver perfil do usuário http://www.baja2tempos.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Paulo Matias em Seg Abr 05, 2010 1:08 pm

Scarz escreveu:
Paulo Matias escreveu:Compara as fichas técnicas com o óleo que utilizas. Tambem estou curioso.

Dá uma vista de olhos neste tópico.

http://embarrados.com/gasgas/viewtopic.php?t=947&start=0

Ora cá está!!!
Artigo bastante interessante.
Seria porreiro que cada um colocasse as caracteristicas do óleo que usa para podermos discutir o assunto noutro tópico.
Eu não uso na mistura.
avatar
Paulo Matias

Localização : Abrantes
Mota actual : KTM 300 EXC '12

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Scarz em Seg Abr 05, 2010 1:14 pm

Eu sempre usei o mesmo, não usei mais nenhum por isso não tenho grande opinião sobre outros óleos.

Mas como podemos avaliar um bom ou mau óleo? scratch
avatar
Scarz

Localização : São Miguel do Rio Torto e Arredores
Idade : 33
Mota actual : Husaberg TE 250

Ver perfil do usuário http://www.baja2tempos.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  gommon em Sex Maio 07, 2010 9:17 pm

Scarz escreveu:Eu sempre usei o mesmo, não usei mais nenhum por isso não tenho grande opinião sobre outros óleos.

Mas como podemos avaliar um bom ou mau óleo? scratch

Pelo carvao no topo do piston ou na vela.. depois no escape... um bom oleo nao deixa detritos...

Eu uso o IPONE RACING 100% sintetico na vespa... e o ano passado no 24h bebeu 80L (+/-2L de oleo).. quando a desmontei o piston nao estava preto como esperava, estava meio sujo de castanho...
POr isso so posso dizer bem deste oleo...
Este ano vai levar do mesmo... Custa 15 euros o Litro.

PS. tambem existe na versao "Strawberry" (morango)... hehehe

Seria bom o ppl discutir os melhores/piores oleos... assim, quando vamos comprar uma embalagem nova, ja sebemos o que queremos.
avatar
gommon

Localização : Leiria
Idade : 39

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  gommon em Sex Maio 07, 2010 9:20 pm

Paulo Matias escreveu:Pessoal, tal como sabem, fui patrocinado por estes produtos na Baja Portalegre 2009.
Apliquei na mota aditivos para a gasolina, anti-fricção para o óleo do motor, spray para a corrente e massa lubrificante.
Gostei bastante, achei a mota mais solta e com uma subida de rotação mais rapida.
Continuo a utilizar e quando terminar o stock, irei adquirir mais material.
Sei que a gama de produtos foi ampliada, havendo agora mais variedade.

Matias, Nao orientas algum deste material para a minha vespa? O teu patrocinio nao era gajo para me patrocinar tb com algum material anti-friccao? Entretando esta ai o 24h e era uma boa prova para ver os resultados dos produtos.

Abraço
avatar
gommon

Localização : Leiria
Idade : 39

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Scarz em Seg Maio 10, 2010 2:40 pm

gommon escreveu:
Pelo carvao no topo do piston ou na vela.. depois no escape... um bom oleo nao deixa detritos...

Certo, mas tens de abrir o motor para confirmar, sem o fazeres nunca consegues ver e mesmo assim pode já estar danificado.
Os detritos no escape/piston/vela são relativos...uma má afinação de carburação podem ser suficientes para que isso aconteça e não por culpa do óleo.

Na minha 250 com o Motorex Cross Power 2T já fiz misturas a 3% a mota não empapava em regime nenhum e a ponteira estava sempre seca.

So tenho usado motorex e faço a mistura a 2% ou 2,5% consoante a volta, quando usar outro óleo já posso fazer uma analise diferente.
avatar
Scarz

Localização : São Miguel do Rio Torto e Arredores
Idade : 33
Mota actual : Husaberg TE 250

Ver perfil do usuário http://www.baja2tempos.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Chewing em Seg Maio 10, 2010 8:46 pm

Sejam poupadinhos no óleo . . . Razz

1,8% ; 1,9% chega bem e até sobra . . . Twisted Evil
avatar
Chewing

Localização : S. Miguel do Rio Torto
Idade : 38
Mota actual : KTM 250 EXC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  gommon em Ter Maio 11, 2010 12:36 am

poupas no oleo.. depois gastas no piston, cilindro e segmentos né?? pirat
avatar
gommon

Localização : Leiria
Idade : 39

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  gommon em Ter Maio 11, 2010 12:41 am

Scarz escreveu:
gommon escreveu:
Pelo carvao no topo do piston ou na vela.. depois no escape... um bom oleo nao deixa detritos...

Certo, mas tens de abrir o motor para confirmar, sem o fazeres nunca consegues ver e mesmo assim pode já estar danificado.
Os detritos no escape/piston/vela são relativos...uma má afinação de carburação podem ser suficientes para que isso aconteça e não por culpa do óleo.

Na minha 250 com o Motorex Cross Power 2T já fiz misturas a 3% a mota não empapava em regime nenhum e a ponteira estava sempre seca.

So tenho usado motorex e faço a mistura a 2% ou 2,5% consoante a volta, quando usar outro óleo já posso fazer uma analise diferente.

Scarz, claro que tens razao... e não é preciso falares em abrir o motor.. eu abro o motor quase sempre depois de uma prova.. e é por isso que te digo eu o oleo que uso é bom (sem detritos na cambota/biela tambem).
Como é logico tambem existirao outros oleos bons, o que queremos é saber quais e a que preço mais compensam. Se possivel comprar um bom oleo a 10 euros/L porquê pagar 15/16/18/20 por Litro?
Uma má carburação vê-se tambem no escape e na vela, mas os sedimentos sao outros, ai ve-se pela cor da vela, nao pelos detritos. Podes ter uma vela castanha (bom funcionamento) e no entanto ter-te por exemplo o polo isolado por excesso de oleo na mistura ou por detritos da má explosao causada pelo oleo.

Percebes??
avatar
gommon

Localização : Leiria
Idade : 39

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Scarz em Ter Maio 11, 2010 7:55 am

gommon escreveu:
Scarz escreveu:
gommon escreveu:
Pelo carvao no topo do piston ou na vela.. depois no escape... um bom oleo nao deixa detritos...

Certo, mas tens de abrir o motor para confirmar, sem o fazeres nunca consegues ver e mesmo assim pode já estar danificado.
Os detritos no escape/piston/vela são relativos...uma má afinação de carburação podem ser suficientes para que isso aconteça e não por culpa do óleo.

Na minha 250 com o Motorex Cross Power 2T já fiz misturas a 3% a mota não empapava em regime nenhum e a ponteira estava sempre seca.

So tenho usado motorex e faço a mistura a 2% ou 2,5% consoante a volta, quando usar outro óleo já posso fazer uma analise diferente.

Scarz, claro que tens razao... e não é preciso falares em abrir o motor.. eu abro o motor quase sempre depois de uma prova.. e é por isso que te digo eu o oleo que uso é bom (sem detritos na cambota/biela tambem).
Como é logico tambem existirao outros oleos bons, o que queremos é saber quais e a que preço mais compensam. Se possivel comprar um bom oleo a 10 euros/L porquê pagar 15/16/18/20 por Litro?
Uma má carburação vê-se tambem no escape e na vela, mas os sedimentos sao outros, ai ve-se pela cor da vela, nao pelos detritos. Podes ter uma vela castanha (bom funcionamento) e no entanto ter-te por exemplo o polo isolado por excesso de oleo na mistura ou por detritos da má explosao causada pelo oleo.

Percebes??

Yap Gommon, concordo plenamente. Este é um tema que da para muita conversa, a questão da vela é essencial porque é onde podemos detectar os primeiros sintomas de uma má afinação ou mau óleo/gasolina.

Quanto ao motorex não posso dizer ainda se é bom ou não, mas pelo que procurei na altura em foruns/net a malta com o mesmo motor que eu tenho deu-se muito bem com o motorex. O relato de uso deste óleo foi sempre positivo na medida que grande parte dos utilizadores após abrir o motor poderam verificar que o piston/segmentos/cilindro se encontravam em bom estado e em muitos casos prolongaram até o seu uso devido ao seu bom estado por mais de 50h e mudavam só por precaução.

O litro de Motorex Cross Power 2t tenho comprado a 12,5€, também sei onde comprar 4litros por 50€ que vai dar ao mesmo preço. Se se comprar em maior quantidade há a possibilidade de baixar ainda mais o preço.
avatar
Scarz

Localização : São Miguel do Rio Torto e Arredores
Idade : 33
Mota actual : Husaberg TE 250

Ver perfil do usuário http://www.baja2tempos.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Chewing em Ter Maio 11, 2010 10:08 am

gommon escreveu:poupas no oleo.. depois gastas no piston, cilindro e segmentos né?? pirat

Tu és é maluco... CHEGA BEM, se não andarmos só no campo militar...

Também não somos nenhuns pilotos de competição a andar contra o tempo e no limite (é que as motas não são deles).
avatar
Chewing

Localização : S. Miguel do Rio Torto
Idade : 38
Mota actual : KTM 250 EXC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Delgado em Ter Maio 11, 2010 10:47 am

A GG há muito tempo que anda a 1,8%... chega perfeitamente.
Tens é de ter os "giglérs" certos e o motor afinado para a mistura ser sempre boa.

Aliás, pegando nas KTM eles aconselham 1:60...


Última edição por Delgado em Ter Maio 11, 2010 11:06 am, editado 1 vez(es)
avatar
Delgado

Localização : Beja; Abrantes; S. Miguel do Rio Torto
Idade : 38
Mota actual : GASGAS EC 250

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Scarz em Ter Maio 11, 2010 10:59 am

Delgado escreveu:A GG há muito tempo que anda a 1,8%... chega perfeitamente.
Tens é de ter os "giglérs" certos e o motor afinado para a mistura ser sempre boa.

Exactamente, a afinação é essencial.
Apesar de alguns óleos permitirem uma percentagem mais baixa, já os espanhóis diziam que só faziam a 1% com o motorex e a 2% com o Castrol TTS e sempre sem problemas. (CR do kovaleinen de 2004 até hoje)

Mas eles também não passam dos 60km/h e usam pinhões de ataque de 12 dentes e cremalheiras de 50/52 dentes.
Eles em portugal referiam que para os terrenos que nos andávamos eles deveriam fazer a mistura a maior percentagem devido as maiores rotações/velocidades atingidas.

Concordo que 1,8 ou menos seja mais que suficiente, aliás a KTM só recomenda fazer a 1:60, mas prefiro ter a mais do que depois a menos, os cilindros secos fazem-me confusão. scratch
avatar
Scarz

Localização : São Miguel do Rio Torto e Arredores
Idade : 33
Mota actual : Husaberg TE 250

Ver perfil do usuário http://www.baja2tempos.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Delgado em Ter Maio 11, 2010 11:20 am

Isso do "a mais do que a menos" é muito old school...
Fazes-me lembrar o pessoal na adega, "é melhor meter mais, pq mal não faz!".... a verdade é que as coisas devem ser feitas como deve ser, porque há sempre um motivo conhecido para as concentrações serem exactas.

Se a KTM diz 1,66 e tu metes 2,5... estás a meter o dobro da concentração em óleo, bem não deve fazer. Nem à carteira!

"Despite what has been said earlier, one CAN SEVERELY DAMAGE a two stroke engine by running way too much oil in the fuel mix.
It is possible and not that uncommon to SEIZE or BURN A HOLE IN A PISTON of a 2-stroke engine by combustion over-temperatures, when way too much oil is in the mix. This is because the fuel metering jets in the carburettor do not know that there is less petrol. They just meter the same old amount of fluid, despite the extra oil. The engine will run lean (insufficient fuel in the fuel-air mix) and hot as a result. Hot is not good. Overhot =>> dead engine."
avatar
Delgado

Localização : Beja; Abrantes; S. Miguel do Rio Torto
Idade : 38
Mota actual : GASGAS EC 250

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Chewing em Ter Maio 11, 2010 7:06 pm

scratch já estava preocupado ! Afinal há mais pessoas com juizo . . . eh eh eh eh ! ! ! !
avatar
Chewing

Localização : S. Miguel do Rio Torto
Idade : 38
Mota actual : KTM 250 EXC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  gommon em Ter Maio 11, 2010 11:20 pm

Epa... nao levantes assim a lebre!! OLd SCool Calma lá.

Aqui nos meus Ebooks old scool, ja o tio Graham Bell dizia...

Lubrication and Cooling


THE RELIABILITY of any engine is closely related to adequate lubrication and
efficient cooling. Unfortunately, it is in these areas that the two-stroke engine is most
vulnerable. It has to rely on just the scantiest supply of lubricating oil to resist piston
seizure in a cylinder badly distorted by the steep temperature gradient existing between
the hot exhaust side and the much cooler inlet side of the barrel.
The lubricating oil must be able to prevent metal to metal contact of moving
engine parts and at the same time assist in conducting heat away from the piston crown
to the cylinder wall. Additionally, it must form a seal between the piston rings and
cylinder wall to contain the pressure of combustion effectively. If the oil film is too
thin, blow-by will result, reducing the amount of energy available to power the piston
down.
There are basically three types of oil: mineral oil derived from crude stock;
vegetable oil from the castor bean plant; and synthetic oil, which is man-made or man
modified and used straight or blended with mineral or vegetable oil.
Most motorcycle oils are mineral-based, with a variety of additives used to
improve them in certain functions. I would recommend mineral oils for all except
competition two-stroke engines. My favourite mineral oil is Castrol Super TT. It will
provide very good lubrication and wear resistance, better I believe than any other
mineral oil available and better than most synthetic and castor oils. Like all mineral
oils, Super TT will dirty the plug, and leave some carbon on the piston crown and in the
combustion chamber.
In all of my competition engines, I specify Castrol R40 or R30 castor oil (R40 for
air-cooled engines, R30 for water-cooled). This oil provides the best anti-wear
protection of any oil that I know. The mere fact that my engines produce top
horsepower testifies that it must be doing an excellent job of reducing friction by
keeping moving parts separated. When you strip a 12,000rpm road racing motor after
300 racing miles and find the ring gaps opened up by only 0.007inch, and hone marks
166 still visible on the cylinder walls, then you know the oil you are using is good.

Many tuners do not like castor oil or blended castor/synthetic because of some
problems associated with the use of an oil of this type. Some claim that castor gums up
the rings and causes ring sticking, but I have never found this problem, even on engines
that are required to run 500 miles between rebuilds.
There is one area for concern, and this is the main reason why oil companies try to
discourage the use of castor oil. Castor-based oils are hygroscopic, which means they
will absorb moisture from the atmosphere. Therefore, once a container is opened, its
entire contents should be used, or if oil is left over this should be poured into a smaller
container so that no air space is left above the oil from which to absorb moisture.
Remember, too, that castor oil will also absorb moisture after it has been mixed with
fuel. Therefore, do not use fuel more than three days old, and don't forget to drain the
fuel from the tank and carburettor bowl.
While we are on the subject of castor bean oil, don't think for a minute that all
castor oils are as wear resistant as Castrol R. This all depends on how well the
manufacturer de-gums the basic castor stock and on what additives are used. Some
castors provide wear protection no better than average mineral and synthetic oils.
Today, more and more people are turning to and advocating the use of synthetic
lubricant. There are several points in favour of synthetics, namely: less exhaust smoke,
less incidence of plug fouling and less build-up on the piston crown and in the
combustion chamber. Some also claim better wear protection and more power as a plus
in favour of synthetic lubes, but in general my research has produced an opposite
result. I have found some synthetic oils to have a wear factor twice as high as the better
castor and mineral oils and I have never found a synthetic to allow an engine to
produce as much power as Castrol R. For these reasons, I could not recommend the use
of synthetic oil in highly stressed competition engines.
The manufacturers of synthetic oils claim their oils will give better power because
the amount of oil in the fuel can be reduced (eg: Bel-Ray MC-1 is mixed 50:1 as
compared to 20:1 for most mineral oils). But why should it ever be imagined that a
smaller quantity of lubricant entering the engine will give a power increase? At the
races it almost seems as if there is as much glory to be gained from running a fuel/oil
ratio of 60:1 as there is in actually winning the race; by the pit bragging going on it
would seem to be so!
My experience has shown that the more oil you pour into a two-stroke, the harder
it runs. Just how much you should pour in depends on several factors, but it usually
works out that the longer you hold the throttle wide open, the more oil you should use.
This is due to the fact that the fuel/air ratio will be leaner at full throttle than at half
and three-quarter. Therefore, with less fuel entering the engine at full throttle,
proportionally less oil will be available for lubricating the piston at a time when it
requires the most lubrication. Spelled out, it means that on a track with long straights
you will have to use more oil than on a tight twisty track.
Keep in mind that your engine only needs enough oil to lubricate one stroke at a
time and then the excess is burnt up. If your bike is dribbling oil out of the exhaust then
you are running too much oil for its needs, or for your riding speed. A faster rider on
the same machine may need more oil, because he is holding full throttle for longer
periods.
When you start experimenting with oil ratios, always use the engine
manufacturer's recommendation as a reference point and work from there. If you go
too rich, the spark plug will be coated with black soot and the exhaust pipe will be wet.
—« there is not enough oil, the plug could look white or grey, the pipe will be very dry,
the piston crown will be white or light grey, possibly with 'death ash' forming under the
crown. A'ny of these signs indicate that you are bordering on a seize up.
Generally, I would say that road racing engines will work best at a 16:1 to 20:1
fuel/oil ratio, depending on the nature of the course. Desert racers require 16:1 but, if
plug fouling proves to be a problem, try 18:1 or 20:1. For enduro and motocross 20:1
or 22:1 is the best ratio. Go-karts with fixed gearing, without a clutch operating on
short sprint tracks, will usually not tolerate more oil than 25:1 and, if you find that you
are fouling plugs, you may have to drop as low as 30:1. Under no circumstances should
you run leaner than 32:1.
All of the above fuel/oil ratios are for mineral and castor oils. Synthetic oils are an
entirely different kettle of fish. If you choose to use this type of oil you will have to run
it at the ratio the oil manufacturer recommends. This is because the oil people load the
oil up with additives, in an attempt to give it acceptable scuff resistance when mixed at
50:1. Mixed at 25:1 there will be twice as much chemical additive and detergent being
inducted into your engine and this could very easily cause carbon build-up and plug
sooting, serious enough to stop or even damage the engine.
It seems that the trend towards leaner and leaner oil ratios has resulted from the
desire of two-stroke engine manufacturers to eliminate plug fouling completely in twostroke
mower, outboard and chain saw engines. These engines are seldom serviced and
the plug is probably only changed each time the rings are replaced. To cut down on
spark plug deposits, the manufacturers decided on less oil and, unfortunately, this idea
has carried over into competition two-stroke circles.
The results of my most recent oil testing are shown in TABLE 8.1. The engine was
a fully worked Suzuki RM 125C motocross unit. As you can see, reducing the oil
content from 20:1 to 27:1 (I wasn't brave enough to lower it any further) resulted in a
power loss of about 8% at the top of the power range — a heavy price for the sake of a
clean plug. On top of that the piston showed signs of scuffing bad enough to deter me
from testing at 32:1 which, according to a lot of tuners, is the best mix when using R40.
When the fuel/oil mix ratio was raised to 16:1, power was marginally improved by
about 2%, which is almost too small to measure on the dyno. However, the piston was
much cleaner and the rings showed no sign of gumming up.
Accuracy is of utmost importance when blending oil and fuel. It is of no use
mixing one and a half beer cans of oil to each drum of fuel, you have to be precise. For
measuring the oil you need either a laboratory measuring cylinder or a graduated
beaker. Fill the measuring container with the required quantity of oil, and be sure to
allow the oil plenty of time to drain out when you pour it into your drum of fuel. Keep
the measuring equipment clean, preferably in a dustproof plastic bag.
Determining how much fuel is in a drum is not easy. The drum may say that it
contains 20 litres, but this can vary considerably, even when the drums are factory
filled, as in the case of racing fuel. If you mix your own racing fuel the inaccuracy may
be even worse, as a 20 litre drum will actually hold 22 litres filled nearly to the top.
What I recommend is, assuming that you have brought your fuel in a drum that is
supposed to contain 20 litres, drain the fuel from the drum and then refill it with
precisely 20 litres measured with a suitable, accurate, 1 or 2 litre measure. Then take a
168 rule and measure how many inches the fuel is from the top of the drum. Next make a
gauge from light metal as shown in FIGURE 8.1, to fit in the neck of the drum and
indicate the height of fuel for 20 litres. You can then use your gauge on any other 20
litre drum of fuel that you buy, assuming the drum style doesn't change.


Laughing Wink
avatar
gommon

Localização : Leiria
Idade : 39

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Delgado em Qua Maio 12, 2010 5:44 pm

Mas tu achas q alguém vai ler isso tudo!??? Mete o resumo!!!

E tenho dúvidas nisto:
"This is due to the fact that the fuel/air ratio will be leaner at full throttle than at half
and three-quarter."
avatar
Delgado

Localização : Beja; Abrantes; S. Miguel do Rio Torto
Idade : 38
Mota actual : GASGAS EC 250

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LANCAR - Tratamento anti-fricção

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum